O Dr. En Li, PhD, do hospital geral de Massachusettes e da escola médica de Harvard tem recentemente levado a cabo um projecto de pesquisa do síndroma de Rett. Como sabemos MECP2 é um gene no cromossoma X. Todas as fêmeas têm dois cromossomas X em todas as células. A fim de que as fêmeas tenham a quantidade apropriada de material genético, um cromossoma X é “desligado” em cada célula através de um processo chamado inactivação X.

Sendo assim, as meninas com o síndroma Rett (e os meninos com síndroma de Klinefelter) que têm uma mutação MECP2 identificada, também tem uma cópia saudável do MECP2 em cada célula.

É concebível que as estratégias terapêuticas possam ser elaboradas de modo a “inverter” a cópia saudável do gene MECP2 do cromossoma X inactivo. As proteínas do dedo de Zinco (ZFP) são um factor de transcrição capaz de reconhecer um determinado gene, agrupar-se a ele e ligá-lo ou desligá-lo.

A RSRF aproximou Sangamo BioSciences e En Li e propôs que se procedessem às experiências abaixo descritas.

Se usando ZFP para ligar o Mecp2 os sintomas de Rett melhorarem superficialmente deverá ser um facto a ser observado. A perspectiva é certamente emocionante. Para mais informações sobre a pesquisa do Dr. En Li no hospital geral de Massachusettes e a escola médica de Harvard visite por favor o website http://www.hms.harvard.edu/dms/bbs/fac/lien.html

Reactivando o gene Mecp2 silencioso do X inactivo no rato de laboratório

O síndroma de Rett é causado por mutações do gene Mecp2 do cromossoma-aliado X que codifica as proteínas que ligam especificamente ao methylated DNA. Mecp2 é considerado silenciador da expressão do gene recrutando uma deacetylase histone e um complexo de transcrição repressor. Nas meninas com síndroma de Rett somente uma cópia do gene Mecp2 é mutada, enquanto a outra cópia está silenciada devido à inactivacao de X em aproximadamente metade das células em tecidos somáticos, incluindo o cérebro. Pensa-se que a falta da proteína Mecp2 em metade dos neurónios no cérebro em desenvolvimento conduz ao síndroma de Rett. O rato de laboratório gerado por meios genéticos aponta para esta opinião. Surgiram perguntas quanto à hipótese de os vários sintomas do síndroma de Rett poderem ser atenuados ou regredidos, se a expressão Mecp2 fosse restaurada no cérebro em desenvolvimento e no que diz respeito à viabilidade de desenvolver estratégias terapêuticas capazes de reactivar a cópia silenciosa de Mecp2 no cérebro. Estas perguntas podem ser respondidas usando o rato cobaia.

Pode-se obter um transgene Mecp2 no cérebro de ratos do knockout Mecp2 através do processo de genética de manipulação ou da terapia genética e questionar acerca da possibilidade da expressão Mecp2 restaurar a função do cérebro. É particularmente importante determinar se a expressão do transgene Mecp2 é capaz de regredir os sintomas neurológicos observados em ratos adultos. Estamos interessados em desenvolver cobaias que apresentam activadores da transcrição e moléculas pequenas que podem activar o Mecp2 silencioso. Estamos no processo de gerar os ratos transgeneticamente nos quais um gene transmissor tal como GFP é introduzido no gene Mecp2. Estabeleceremos então linhas celulares dos ratos transgeneticos fêmeas, em que GFP é silenciado pela inactivação de X. Estas linhas celulares serão usadas então para seleccionar proteínas especialmente produzidas pelo dedo do zinco (ZFPs) (a ser desenvolvido e patrocinado por Sangamo Bioscience e Co.) e moléculas pequenas que reactivem o GFP silencioso. O ZFP activo e as moléculas pequenas poderão posteriormente ser testados nos ratos a fim de testar se pode activar o Mecp2- GFP no cérebro e o Mecp2, silencioso aliado, em Mecp2+/- dos ratos fêmeas.

Estes estudos conduzirão a um desenvolvimento dos medicamentos que podem ser usados para tratar o síndroma de Rett.

Go to top